A segunda onda do coronavírus na Europa e o Brasil de calças curtas

Durou pouco a alegria na Europa. Mal haviam começado a colocar a cabeça para fora de casa, franceses, espanhóis e ingleses depararam com a segunda onda do coronavírus. Em muitos países, o número diário de infectados já supera os alcançados no primeiro semestre do ano, quando o pico da pandemia esvaziou a primavera europeia.

Com os hospitais lotando de novo, algumas capitais voltaram a fechar restaurantes, outras reabilitaram a quarentena. Paris está desde o dia 16 sob toque de recolher. Na semana passada, a medida foi estendida à quase totalidade do território francês.

Nenhum governante ainda chegou ao ponto de decretar o confinamento total, talvez porque intuam que a iniciativa pode resultar em retumbante fracasso — ninguém aguenta mais ficar trancafiado em casa.

A nova onda da pandemia não é exatamente uma surpresa, mas pegou alguns governos mais preparados que outros.

Países do sudeste asiático como Tailândia, Vietnã e Camboja investiram na estratégia da testagem massiva e do rastreamento de contagiados. A tática permite o isolamento pontual de prédios e quarteirões por onde o vírus andou, e inclui a oferta de instalações para abrigar estrangeiros contaminados.

Nos três países, dá para contar nos dedos de uma mão o número de novos casos registrados por dia nas duas últimas semanas.

No Brasil, a estratégia da testagem em massa, monitoramento e rastreio de novos casos era precisamente a proposta do breve Nelson Teich, o último ministro da Saúde do governo Bolsonaro a ter um plano de combate à pandemia.

Na semana passada, auditores do Tribunal de Contas da União escancaram em relatório suas conclusões a respeito de como o governo federal usou os recursos destinados ao combate ao coronavírus.

“Decorridos mais de oito meses da declaração de Emergência em Saúde Pública (…) era de se esperar, a esta altura, uma definição dos objetivos e ações em nível macro-correspondente ao valor alocado e o detalhamento das atividades ou dos projetos a serem desenvolvidos”, escreveram os auditores, deixando claro que a “definição dos objetivos e ações” do governo nunca aconteceu.

A segunda onda pode chegar ao Brasil.

Nesse caso, encontrará na linha de frente um general cujo lema é “um manda e outro obedece”, sendo que quem obedece é o general e quem manda é um presidente ocupado em fazer guerra de vacinas contra seu adversário político.

O maremoto do coronavírus não passou e quem está no leme do navio é Jair Messias Bolsonaro.

Salve-se quem puder.

 

* Thaís Oyama é colunista do UOL

Fonte: UOL Notícias

Outras Notícias

Ver todas
Covid-19 e a exposição dos Propagandistas e Vendedores de Produtos Farmacêuticos.

Covid-19 e a exposição dos Propagandistas e Vendedores de Produtos Farmacêuticos.

A Covid-19 interferiu profundamente na condição de trabalho dos Propagandistas e Vendedores de Produtos Farmacêuticos, tanto os profissionais, como seus empregadores, se adaptaram ao novo contexto que se apresentou.  Aqui não podemos deixar de parabenizar os empregadores que viabilizaram o home-office e garantiram a segurança dos seus colaboradores e familiares. Porém, passado o primeiro momento, … Continued

Leia Mais
PORTARIA Nº 001/2020 Dispõe sobre a implementação de período de recesso e suspensão de atividades

PORTARIA Nº 001/2020 Dispõe sobre a implementação de período de recesso e suspensão de atividades

O Presidente do Sindicato dos Empregados Propagandistas, Propagandistas – Vendedores e Vendedores de Produtos Farmacêuticos no Estado do Rio Grande do Norte – SINPROVERN, conforme as competências e atribuições que lhes são conferidas estatutariamente, determina que: Art. 1º – Fica estabelecido como período de recesso do SINPROVERN o período de 21 de dezembro de 2020 … Continued

Leia Mais
SINPROVERN Solidário em Momento de Pandemia

SINPROVERN Solidário em Momento de Pandemia

SINPROVERN Solidário – #JuntosPorTodos Juntamos nossas forças para ajudar quem mais precisa neste momento. Conheça o projeto SINPROVERN Solidário! Realizamos a doação da nossa verba total para eventos (R$ 20 mil), oriunda das doação dos diretores, conselheiros fiscais e seus respectivos suplentes, para quem mais está sendo afetado pela pandemia. Confira! #JuntosPorTodos Youtube ->  https://www.youtube.com/watch?v=-J9vgAxX0ro

Leia Mais